segunda-feira, 21 de junho de 2010

Os muitos lados de uma copa do mundo

Este ano, todos sabem, a copa do mundo ocorre pela primeira vez em solo africano.para alguns,isso significa um grande avanço na inclusão dos povos da África á sociedade global,e uma mostra do poder integrador do futebol.Como todos os fatos complexos,uma copa tem muitos lados,e reduzir tal complexidade a apenas um deles é certamente um equívoco.


A Dimensão Simbólica
Afinal, se uma copa do mundo produz tamanhos efeitos sociais em termos geopolíticos, trabalhistas, midiáticos e comercias, por que é que todos- eu inclusive- ficam tão encantados com jogos, gols, pênaltis e goleadas? Não seria o caso de simplesmente denunciar que é tudo um grande negócio, que interesses de toda ordem atravessam a realização de cada copa? Acredito que não. Todas essas dimensões que destaquei são muito mais conseqüências do que causas. Mas a pureza do sentimento que comove bilhões de pessoas em todo o mundo não precisa se misturar com sua comercialização. Podemos ser conscientes de tudo isso sem, necessariamente, destruir a fantasia, o delírio e a vertigem que o futebol pode proporcionar este frágil refúgio de loucura em um mundo cada vez mais normalizado e previsível...
(fonte:
bragastaldo@terra.com.br/revista Mundo Jovem endereço eletrônico www.mundojovem.com.br ).

Questão para reflexão: Como podemos nos organizar para fiscalizar a aplicação das verbas para esses eventos?

“Bom, o governo deveria criar uma entidade com pessoas interessadas em trabalhar para o governo e fiscalizar o mesmo” Adriano Moreira

“Ter um comitê que fiscalize o emprego dessa verba cedida pelo governo para melhorias nesses locais” Marcello M.

“Mais segurança, trazer mais turistas e também com projetos para os demais” Patrício Moreira.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Santiago

video

Grupo Antenados

Dança Chilena

O folclore Chileno é um resultado da mistura do povo indígena e dos espanhóis que se deu no período colonial. Essa mistura gerou um folclore muito rico, que vai de componentes religiosos a manifestações culturais com finalidades festivas.
Um exemplo, é a dança. Na zona central do Chile, as expressões folclóricas foram fortemente influênciadas pela colonização espanhola e ali assentaram-se as danças tradicionais persistem até os dias de hoje. A Cueca, que é a dança folclórica nacional do Chile é praticada assiduamente.
Saiba mais sobre essa dança Chilena vendo o video abaixo:






Fonte:
http://www.revista.brasil-europa.eu/113/Cueca.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cueca_%28dan%C3%A7a%29
http://pt.wikilingue.com/es/Folclore_de_Chile

quarta-feira, 16 de junho de 2010

CHILE

"A História do Chile divide-se comumente em doze períodos históricos que cobrem o intervalo de tempo compreendido entre o começo do povoamento humano no atual território chileno (c. 10500 a.C.) até os dias atuais.
De acordo com a teoria da passagem do Homem pelo Estreito de Bering através da ponte de Beríngia, durante a última glaciação conhecida com o nome de Würm pelos europeus e Wisconsin pelos americanos, o Chile – localizado na parte mais meridional da América do Sul e na zona ocidental da mesma, sobre o oceano Pacífico – foi a última região da América a ser ocupada.
A glaciação Wurm-Wisconsin durou cerca de cinquenta mil anos. Segundo os cientistas, a Ponte Terrestre de Bering teve condições de ser transitada durante quatro mil anos na primeira fase e quinze mil anos na segunda. A partir de então, o homem foi andando para o sul, até chegar ao atual território chileno.
No setor industrial, o Chile concentra o seu pólo nas proximidades de sua capital, e principal centro do país, Santiago. A produção industrial está ligada, em geral, a produção primária, como: indústria de alimentos, têxtil e beneficiamento de minérios.

Outra fonte de receita que reforça a economia chilena é o setor turístico, que figura como uma das mais promissoras atividades econômicas do país. O Chile oferece boas opções de turismo, dentre elas, as que mais se destacam são: o balneário de Viña del Mar, além da região dos Lagos Andinos.


A Religião

Em 1818, depois da independência, o catolicismo foi reconhecido como a religião oficial do estado. A partir de 1878, porém, vários governos empreenderam uma campanha de laicização que culminou na constituição de 1925, que estabeleceu a separação entre igreja e estado.
Embora a maioria da população chilena seja católica, existe uma importante colônia protestante (o grupo mais numeroso é o da Igreja Evangélica), que entrou no país durante a penetração européia do século XIX. No norte do Chile, um setor da população indígena segue tradições religiosas de tipo animista.


A Dança Chilena

A cueca é a dança nacional oficial chilena[1]. Seu estilo é derivado da zambacueca peruana. A dança representa a conquista e o desejo amoroso de uma mulher por um homem, e está presente no oeste da américa do sul desde a Bolívia até a Argentina e a Colômbia, tendo suas variações de acordo com a região e a época.
A cueca chilena pode ser distinguida em:

• Cueca nortina: A principal diferença é que a música não é cantada, somente instrumentada.
• Cueca chilota: Os passos são mais curtos e a voz do cantor tem mais importância sobre os instrumentos.

A culinária

A comida típica chilena caracteriza-se por um aproveitamento dons da terra e do mar. Assim, tal como noutras culturas da América central e do sul, também no Chile o milho é Rei, sendo um dos pratos mais conhecidos o Pastel de Choclo (milho).
Também as Cazuelas (caçarolas) de carne ou de aves, e as Parrillas (muito conhecidas na Argentina), mais especificamente o Asado Chileno à la Parrilla, são populares no Chile.
A extensa costa marítima chilena permite que os pratos de peixe sejam ricos e variados, sendo de salientar a Albacora ou Corvina a la mantequilla, o Congrio Frito, os Mariscales, etc. Integrada já na culinária internacional encontra-se a Empanada Chilena, que pode ser frita ou assada, recheada com carne e cebola ou com queijo e mariscos. Mas a gastronomia chilena é tão rica como diversa em termos de regiões, senão vejamos: a culinária patagónica é marcada pelo uso de cordeiro e Ostiones, no norte a preferência é pelos Cebiches e as Papas a la Huancaina, de origem peruana.
No Centro-Sul, dominam as carnes sob todas as formas e para todos os gostos. Chile também, é muito famoso por seus vinhos. Alguns deles são: Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah de vinho tinto por exemplo. E Chardonnay e Sauvignon Blanc são exemplos de vinho branco.”


Fontes:
A História e Setor Industrial - http://pt.wikipedia.org/wiki/Portal:Chile

Setor Industrial - http://www.brasilescola.com/geografia/chile-1.htm

Religião - http://www.emdiv.com.br/pt/mundo/asmaravilhas/815-chile-historia-
geografia-e-cultura.html

A Dança Chilena - http://pt.wikipedia.org/wiki/Cueca_(dan%C3%A7a)

A culinária - http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/chile/culinaria-do-chile.php

Grupo: Guilherme, Stéphany Nicolini, Camila Nery, Silvestre Machado.

video

Africa do Sul

Dança Africana A história da dança na África do Sul é marcada pelas guerras, caças, festejos de casamento, dentre outros. São apresentadas através de sons e músicas regionais, que enriquecem os movimentos, dando maior entusiasmo aos ritmos. A tradição das danças estão diretamente ligadas ao teatro, às misturas de sons e aos próprios movimentos. Danças que apresentam lutas pessoais, que contam a tradição dos mineradores, os ritmos tribais, etc .

A dança sempre integrou o estilo de vida africano. Marca presença na caça, guerras, galanteios, casamentos, iniciação e trabalho. As tradições estrangeiras também têm contribuído. Durante as duas últimas décadas, o desenvolvimento da tradição de danças na África do Sul não pode ser separado da tradição de desempenho do teatro, com a mistura de melodias, movimentos e dança. O protesto musical estabeleceu certos estilos de dança e técnicas de palco, chamados toyi-toyi (dança de luta pessoal), mapantsula (município de Jive), isicatamiya (uma tradição dos mineradores e dos homens de hotéis) e Zulu.

A dança originou-se na África como parte essencial da vida nas aldeias. Ela acentua a unidade entre seus membros. Em sua maioria, todos os homens, mulheres e crianças participam da dança, batem palmas ou formam círculos em torno dos bailarinos. Todos os acontecimento da vida africana são comemorados com dança, nascimento, morte, plantio ou colheita; ela é aparte mais importante das festas realizadas para agradecer aos deuses,uma colheita farta.

As danças africanas variam muito de região para região, mas a maioria delas tem certas caracteristicas em comum. Os participamtes geralmente dançam em filas ou em círculos, raramente dançam sós ou em par. As danças chegam a apresentar algumas veses até seis ritmos ao mesmo tempo e seus dançarinos podem usar máscaras ou enfeitar-se.

Sites de pesquisa:

http://www.brasilescola.com/africa-do-sul/danca-na-Africa-sul.htm

http://www.africadosul.org.br/?pg=arte#Dança

http://websmed.portoalegre.rs.gov.br/escolas/montecristo/04raca/raca18.htm


Video da Dança Africana(Youtube):

video



Componentes:

João Fernando
Landressa Germano
Lucas Pereira

terça-feira, 15 de junho de 2010

A Dança na África do Sul

A história da dança na África do Sul é marcada pelas guerras, caças, festejos de casamento, dentre outros.

As danças são apresentadas através de sons e músicas da região, que ajudam os movimentos, e dão um entusiasmo a mais aos ritmos.

As danças e suas tradições estão diretamente ligadas ao teatro, às misturas de sons e aos próprios movimentos. Danças que apresentam lutas pessoais, que contam a tradição dos mineradores, os ritmos tribais, etc.

Dentre as novas produções , podemos destacar o projeto voltado para jovens pacientes da unidade de oncologia do hospital infantil da Cruz Vermelha, onde eles assistiram a apresentações de ballet.

A Cidade do Cabo possui uma ilustre história, elaborada por Dulcie Howes, da academia Doto Ballet, em 1934.

Os mais famosos coreógrafos e bailarinos da África do Sul são: Adelaide Tambo, Elizabeth Triegaardt e Keith Mackintosh.

Em 1978, Sylvia Magogo criou a MIDM (Moving Into Dance Mophatong) como um movimento social contra o apartheid, num trabalho de integração das pessoas e das culturas ocidentais e africanas.

Apartir daí nasceu o estilo “afrofusion”, misturando-se rituais africanos, músicas e danças country, com passos contemporâneos.

Apresentações como essas são reconhecidas internacionalmente, no Canadá, Estados Unidos, Europa, Austrália, dentre outros lugares.

A MIDM desenvolve também projetos educativos, como “cobertores da vergonha”, usando a arte da dança como forma de interagir com as disciplinas escolares. Através do projeto são trabalhados temas como amor, morte, luxúria, violência, cura e abuso de mulheres e crianças; também oferecem alimentação para os estudantes, que tem servido como alicerce para a mudança de suas vidas, através da arte.

O jazz também é valorizado na África do Sul. Possuem o Jazz Dance Teatre, uma academia da Cidade do Cabo, que trabalha com formação profissional da dança contemporânea, numa mistura com a dança africana e a cultura ocidental.

O Jazz Dance Teatre amplia os programas sociais através de trabalhos feitos com jovens e crianças, a fim de aprimorar suas habilidades. Em 2009 foram se apresentados por várias localidades do mundo.


Fonte: http://www.brasilescola.com/africa-do-sul/danca-na-Africa-sul.htm